Posts Tagged ‘revista veja

31
maio
13

RESUMO DA ÓPERA – 31 DE MAIO DE 2013


FOTOGRAFIAS 1748

A semana de CARLOS PIMENTA – PARTE 1

314046_313391155429358_1959740047_n[1]

O “Pink Elefant”, onde a Monarquia Brasileira realizou seu último Baile, antes da República: a histórica Ilha Fiscal. Coisas do Rio de Janeiro…. 

   EM VIRTUDE DA IMENSA PROCURA POR ESTA COLUNA, e pelo simples fato de que A VIDA NÃO PÁRA, este Colunista decidiu mais uma vez escrever neste Blog sobre a sua semana.  Puro e Simples, como o whisky do Marcelo Terra

1054_10151482786713063_460703695_n

A DJ Lize Campbell com Alexandre, o nosso Novak Djokovic, e este Colunista.

     UMA PÁ DE ROSTOS NOVOS aparecerão por aqui, e reencontraremos também figurinhas de longas datas. Fatos & Fotos, Lugares e Pratos, a Moda das Deslumbrantes, GENTE, MUITA GENTE…

Rio, 07/06/2010.Ricardo Amaral, Jardim Bot‰nico.Foto: Selmy Yassuda

Ricardo Amaral com bonecos que faziam parte da decoração do Alô Alô, em NY. Fonte: Revista VEJA.

     NATURALMENTE, muitas pessoas no Brasil chegam até aqui, porque o nome desta Coluna é semelhante ao da antológica boate Resumo da Ópera, do imbatível Ricardo Amaral, que marcou época no Rio de Janeiro. Bem, na verdade, este Colunista a batizou assim, em um paralelo as inúmeras oportunidades, nuances, matizes, sons e um sem número de pessoas, que uma ópera proporciona. E, seu enredo se confunde com a semana do Colunista. Daí o nome…

7083mapa

      AGORA, porque tantos acessos do exterior, o Colunista já não sabe explicar… Até pessoas da distante Mianmar e da obscura Coréia do Norte já “clicaram” aqui… Estados Unidos e Europa são habituées aqui…

FOTOGRAFIAS 1787

COMO DE PRAXE,  a sugestão musical para este momento é STREET LIFE, por Randy Crawford: http://youtu.be/cnNyxy7XPfs

***

     NESTE PRIMEIRO MOMENTO, o Colunista em fotos, dá um en passant nos diversos assuntos que trará aqui, neste festivo Pout Pourri de fotos:

SAM_2259

    AMANDA CORREA, A RAINHA DAS DELUMBRANTES, no auge do seu esplendor, em foto tirada por este Colunista, no dia de seu aniversário. E daí, se foi em dezembro? A Festeira assumida, em plena forma, nesta semana que passou, proporcionou uma festa aos irmãos aniversariantes Domingos e Ândora, que dificilmente será esquecida…

582305_317727461662394_1266594898_n[1]

     DOMINGOS COELHO, MEU HERÓI, mostrando ao Mundo inteiro, o maior patrimônio que o Brasil possui: A MULATA! Nós precisamos é de Mulatas, não de jogadores de futebol argentinos…

SAM_2706

     DEBORA PEDROSA, NOSSA CANTORA ENCANTADORA, em seu show no Velho Armazém. Foto Tirada por este Colunista. Transitando por vários estilos musicais nacionais e internacionais, com releitura própria de cada canção, ela nos envolveu com sua voz, e seduzidos pelo talento incontestável dela, simplesmente a seguiremos, com os ouvidos do Coração…

FOTOGRAFIAS 1185

     COMO NÃO FALAR DE CARMEN MAYRINK VEIGA, a campeã absoluta de “cliques” do BLOG DO PIMENTA? Esta é uma das mais incríveis fotos da Carmen que este Colunista possui, laureada por estes retratos pintados, onde naturalmente, o mais conhecido deles, o pintado por Cândido Portinari (o primeiro à direita), só não reluz mais do que a própria Carmen. Você cresce, assistindo uma mulher deste calibre, só pode se tornar um homem muito exigente… Já não existem mais mulheres como Carmen…

Foto0398

OS LEITORES MAIS FIÉIS se lembram do Sr. José Landy Giorio do Vale, que morava na parte mais festiva da Urca. Pois é, agora ele mora na parte mais festiva e interessante de Niterói, e passou a ser vizinho deste Colunista. Aqui, vemos o Landy com uma histórica garrafa de whisky Black & White, de aproximadamente 35-40 anos. Ela jamais fora aberta, guardada por todo este tempo em um armário, na casa da Tia do mesmo. A doce senhora iria jogá-la fora, mas o solícito Landy a livrou deste incômodo, levando a garrafa para seu seleto e variado bar, onde encontramos desde saquê a sua tradicional tequila, passando por destilado de uva (pode-se dizer “cachaça” de uva), licor Amarula (é que o casal adora Amarula!), a tradicional vodka que sua mulher Ilana tanto gosta, e a contribuição deste Colunista a esta causa tão nobre: Rum!

530678_430796766991079_825852445_n[2]

     PAULA BUZAN, na sala do apartamento, empunhando uma Espada Medieval espanhola, mais uma dessas coisas que só encontramos na casa do Landy… Presente da Ilana, que celebrou seu último aniversário em Paris… E, por aí, uma pá de pururuquinhas, fazendo pouco da rapaziada e das Deslumbrantes, porque festejou em algum pretenso local…

944113_10151482788123063_1591235628_n

     AOS LEITORES DO BLOG DO PIMENTA, o Colunista apresenta a jornalista Cristiane Montes, que possui um Blog super charmoso, o modaestyles.blogspot.com.br, recheado de tendências, opiniões quentes, muita Moda, enfim, é a cara da dona! Observadora detalhista, ela é muito criteriosa, antes de opinar… Vale a pena ler seu Blog. Quanto a este Colunista, bem, ele é amigo dela, vai beber a água direto na fonte! De Leve… Ao fundo, a Debora Pedrosa, pensando em como vai resolver O Problema do Brasil…

312151_604847949525524_1450951788_n

     CHEFE HILDO, THE MAN OF THE MACHT da cozinha do Jardim Waxy! Estamos todos de olho nele! Em plena crise dos tomates, nunca um molho de tomate fora tão saboroso, tão vivo, minha nossa! Este Colunista propôs um desafio ao Chefe Hildo, na foto acima, ao lado de Rodrigo Kastrup, nosso querido jardineiro do Jardim Waxy: este Colunista subirá até a sua cozinha…

382466_604463396230646_1708995207_n

“PAGLIA & FIENO”… De Leve…

     O QUE SERÁ, QUE ESTE COLUNISTA LÁ ENCONTRARÁ… Acompanhe os próximos capítulos, que serão fielmente descritos aqui!

***

     NA BOATE WAXY, na quinta-feira passada, apresentaram-se duas bandas: a JPG, onde este Colunista teve o prazer de conhecer o Músico João Ramalho, prova viva de que o talento sim, é algo que se passa de pai para filho – o filho de Zé Ramalho fez bonito, na Noite da Waxy. Na mesma noite, a banda Xico Chico também se apresentou, e o sucesso foi tamanho, que nesta noite de sexta 1º de junho teremos repeteco! Pena o Colunista não dispor de fotos…

984109_368140046621135_1869870226_n

Amanda Correa, Carlos Pimenta, Carla Moraes e Shayana Mury de Faria.

     O FERIADO DE CORPUS CHRISTI – O Brasil é o único país do mundo, onde até os ateus festejam feriado religioso! – Este Colunista fala da mulher mais inteligente que ele conheceu, nos últimos tempos: Shayana Mury de Faria. O Colunista teve o privilégio de conhecê-la no dia do aniversário dela! Brasileira de berço, americana de toda uma vida, a executiva foi sabatinada por este Colunista sobre N assuntos. Sobre este momento do Brasil, investimentos e prerrogativas de um aparente futuro promissor no Primeiro Mundo, o Furacão Shay respondeu: “Feriados demais…”. É o país que vai sediar a Copa do Mundo!

FOTOGRAFIAS 1781

AS ÚLTIMAS DO PIMENTA:

* Encontrar Adilson Sacramento, no meio do Plaza Shopping: indescritível…

* Marcelo Bezerra da Silva no Skype com o Bispo Macedo…

* Este Colunista está colocando em dia seu E-mail, InBox, telefonemas e semelhantes. Paciência, Gente Boa, que eu chego lá!

* Que absurdo, o honesto e sagrado jogo de Poker ter se tornado “modinha”… As partidas, na casa do Landy, são tão divertidas… O Colunista falará mais sobre isso.

* Grupo SÓ PRA DISTRAIR: guardem este nome, porque em um futuro bem próximo, vocês o ouvirão muito!

* O Colunista viu no Facebook: nos Estados Unidos, o I é sinal de progresso e conforto: I-phone, I-Pad, I-Pod… No Brasil: IPTU, IPVA, ICMS… Sem maiores comentários…

FILOSOFIA: “Há quatro coisas que a razão não pode compreender: um pobre soberbo, um rico miserável, um ancião lascivo e um funcionário arrogante”, do Talmud.  3 minutos de leitura selecionada.O Colunista retorna, com a Parte 2. Aos Queridos Amigos e Fiéis Leitores,

FOTOGRAFIAS 1122

Anúncios
03
mar
12

ARTHUR ANTUNES COIMBRA, O ZICO!


HOJE, 3 DE MARÇO DE 2012, ZICO COMEMORA 59 ANOS DE IDADE. Atualmente conduzindo a seleção do Iraque, que caminha a largos passos rumo à Copa do Mundo de 2014, o ídolo máximo do Flamengo é devidamente reverenciado pelo BLOG DO PIMENTA, nesta transcrição de reportagem realizada, em 28 de julho de 2010 pelos jornalistas Malu Gaspar e João Marcelo Erthal, para a revista “VEJA“. O BLOG DO PIMENTA se junta aos demais 39.999.999 torcedores do Flamengo, para neste dia, feriado da Nação Rubro-Negra, desejar um Feliz Aniversário, ao eterno “Galinho de Quintino“! Nesta entrevista, Zico abre o coração. Em cada linha, em cada frase, é possível entender porque se tornou “o Flamengo, em carne e osso“!

O FLA NÃO ACEITA BANDIDO

No comando do Futebol, Zico diz que a crise de valores no clube é fruto de anos de leniência e que não quer jogador “acima do bem e do mal”.

Um dos ícones do futebol brasileiro, o brasileiro Arthur Antunes Coimbra, o Zico, 57 anos, está diante talvez do maior de sua carreira desde que parou de jogar em 1994. Há dois meses como diretor executivo do Flamengo, onde estreou no futebol e viria a se consagrar como o maior ídolo de todos os tempos, ele está iniciando uma verdadeira cruzada para sepultar a cultura de permissividade que se disseminou no clube nos últimos anos. Assim que assumiu, Zico se viu diante da mais séria crise pela qual o Flamengo já passou, quando o goleiro Bruno, o capitão do time, foi preso como o principal suspeito de um bárbaro assassinato. Com passagem por seis países como jogador ou técnico, ele resume: “O craque tem obrigações a cumprir como qualquer profissional – não está acima do bem e do mal”.

Como evitar novos casos policiais no Flamengo? É necessário, de uma vez por todas, fazer com que os jogadores entendam o básico. Como qualquer outro profissional, eles têm um conjunto de regras a seguir, e isso deve ser inegociável. Entenda-se por regras não só comparecer aos treinos e aos jogos no horário combinado, o que às vezes não acontece, como também dar bom exemplo. Estamos falando, afinal, de ídolos admirados e imitados por milhões de brasileiros. Eles precisam ter conduta à altura desse papel. Cabe naturalmente ao clube, que é o empregador e se pretende uma instituição séria, obriga-lo a agir como se espera. Não sou ingênuo a ponto de achar que, assim, os jogadores deixarão de cometer desvios de conduta. Mas, com os limites claramente estabelecidos, eles não poderão mais fazer o que bem quiserem, sem uma punição severa por parte do clube. A crise de valores que se instaurou no Flamengo tem reação direta com a leniência. Em alguns casos, certos jogadores tomaram o comando.

Como mudar essa lógica da permissividade? A experiência não deixa dúvidas de que o caminho mais acertado passa pela maior rigidez nos contratos, que devem prever multas, suspensões e até expulsões do jogador. Daqui para a frente, será assim no Flamengo. É um começo. De modo geral no Brasil, os jogadores têm pouquíssimas obrigações com os clubes. Olha que eles ganham verdadeiras fortunas pelo trabalho que fazem. Discordo daqueles que acham que o clube não deve intervir na vida privada dos atletas sob nenhuma hipótese. Quando, de algum modo, a conduta de um jogador longe dos gramados começa a atrapalhar seu desempenho em campo e ainda mancha a imagem da instituição, isso passa a ser, sim, um problema do clube, que precisa resolve-lo sem passar a mão na cabeça de ninguém.

Como a situação de desmando chegou a esse ponto no Flamengo? As conquistas recentes mascaram questões graves, que ficam relegadas a um segundo plano. Digo que as vitórias do Flamengo, de certo modo, deram sinal verde para que os jogadores vivessem sob suas próprias regras, e não sob as do clube. Enquanto ganhávamos títulos, eles faziam suas farras sem nenhuma restrição. Chegou-se a um estágio em que um técnico marcava um treino para a manhã e aparecia sempre alguém ao lado para dizer:”É melhor colocar para mais tarde, porque senão vai dar problema”. Qual era exatamente o problema? Alguns atletas, que recebiam tratamento privilegiado, simplesmente não queriam estar tão cedo no clube. Eles tinham a sua demanda atendida. Um absurdo. Sei que muitos jogadores não concordavam com o que estava acontecendo. Imagine como se sentia um atleta que cumpria suas obrigações diante desses outros repletos de vantagens.

Mais do que jogadores folgados e descumpridores de regras, o Flamengo também via seus ídolos envolvidos com criminosos. Como o clube deve se portar em casos como esses? Para mim, o jogador que faz isso não merece vestir a camisa do time, por mais talentoso que ele seja. É papel do clube, como instituição de tanto peso, zelar também pelos valores. Está claro que o mau comportamento dos jogadores-celebridade contamina a todos. Até mesmo aqueles meninos que estão começando a jogar bola agora. Eles passam a achar que o modelo desregrado é o que deve ser seguido. O clube precisa ser bem didático aí, para mostrar, logo de saída, que está errado. Quando comecei no Flamengo, assisti a uma cena que foi marcante. Havia um garoto, conhecido como Pelezinho, que era a maior promessa da equipe. Um dia, ele tratou tão mal o técnico que acabou expulso do time. O resultado? Todos entenderam, enfim, a noção de hierarquia, tão relevante para o esporte. Foi educativo. Pelezinho não deu em nada.

O senhor vê muitas diferenças entre a realidade dos clubes no passado e hoje? Acho que os clubes eram mais cientes de seu papel de transmitir valores a meninos pobres e sem uma base familiar sólida. O perfil dos treinadores das categorias de base mudou muito. Além de mais experientes, técnicos, como os que eu tive no Flamengo lembravam a toda hora o significado de ser um atleta e honrar o nome do time. Os treinadores de hoje estão mais preocupados em subir na carreira e ganhar dinheiro do que propriamente formar jogadores. Não há como essa mentalidade levar uma equipe muito longe.

Por que o senhor diz isso? O Bom desempenho em campo é uma combinação de talento com muito treino e cabeça no lugar. Só talento não resolve. Os times com resultados mais sólidos nos últimos anos foram justamente aqueles que se preocuparam em formar atletas no sentido mais abrangente. Para mim, o melhor exemplo vem do São Paulo. Sob o comando de Telê Santana (1931-2006), eles implantaram um eficiente centro de formação de jogadores que, entre outras coisas, ensina o exato valor de vestir uma camisa oficial. Tal era a obsessão de Telê nessa função que ele chegava a dormir nessa escola que montou. Técnicos assim se tornam raros. É um problema. São esses que ajudam a mostrar que eles têm suas obrigações como qualquer outro profissional – e que não estão acima do bem e do mal, como muitos se vêem.

O senhor acha que essa visão está mais disseminada entre os atuais jogadores? Sempre houve jogadores deslumbrados com prestígio, fama, dinheiro, e sem uma noção clara de limites. O que talvez agrave isso hoje são os contratos milionários, que fazem com que os atletas se sintam ainda mais cheios de poder. É uma distorção. Pior ainda quando os jogadores usam esse dinheiro para fazer negócios com bandidos, algo inadmissível. Eles alegam a origem humilde para justificar a proximidade com os criminosos. Pura desculpa. O subúrbio carioca onde eu morava era tomado de bicheiros, e jamais me passou pela cabeça me unir a eles em suas atividades ilegais. São questões de princípio muitas vezes desprezadas no mundo do futebol. Cabe ao clube orientar esses atletas, até psicologicamente.

O Flamengo faz isso? Tenta, mas às vezes não funciona. O psicólogo chama o jogador para uma sessão e o cara simplesmente não aparece. Ele não quer ser ajudado, e o resultado são escândalos como os que temos visto nos últimos meses.

Foi assim com o goleiro Bruno? Prefiro não falar deste caso em particular. Até porque ele extrapola muito a alçada do clube. É um assunto de polícia. No que cabe ao Flamengo, o clube precisa deixar bem claro daqui para frente, que, para ostentar a faixa de campeão, não basta jogar cara ou coroa no início da partida. É preciso exercer uma efetiva liderança sobre o grupo, respeitar a torcida antes de tudo e ser o primeiro a dar bom exemplo. Quem não entender isso não ficará no clube. Nesse processo de limpeza, cabe aos empresários desses jogadores também fazer a sua parte.

Qual é exatamente a parcela de responsabilidade dos empresários nesse processo civilizatório? Administrar a carreira de um jogador de um jogador de futebol não é só cuidar da parte financeira. No meu ver, deve também envolver uma assessoria, digamos, de víeis educativo. Eles podem ajudar a manter a cabeça do atleta no lugar e cultivar nele valores como a disciplina e o respeito à autoridade. Isso é raro nesse meio. Já cansei de ver empresário oferecendo dinheiro ao técnico para escalar o jogador dele. Eles são o próprio contra-exemplo.

Com base em sua experiência internacional, o senhor diria que os clubes brasileiros têm muito a aprender com os estrangeiros? É preciso profissionalizar a gestão aqui. A primeira lição que se depreende de países como o Japão diz respeito aos contratos, muito exigentes e precisos quanto aos direitos e obrigações dos jogadores e técnicos. Para se ter uma idéia, como treinador eu era até proibido de jogar pelada sem antes consultar o clube. Pode parecer exagero, mas tinha uma razão de ser. Os dirigentes de lá entendiam que esse tipo de restrição era uma maneira de zelar pela minha integridade física e, assim, garantir que a equipe não ficasse sem comando. Acho natural que um bom salário venha acompanhado de exigências. Em minha volta ao Flamengo, cheguei a tomar um susto com os contratos. Eles seguem o modelo genérico da Confederação Brasileira de Futebol, a CBF. Basicamente, não exigem nada.

Em outros países, os atletas são mais disciplinados do que no Brasil? Na média, sim. Isso tem relação direta com a cobrança. No caso do Japão, valores que estão muito presentes na sociedade, como o apreço às regras e a hierarquia, se manifestam no futebol de forma bastante acentuada – o que é bom. Mas não é em todo lugar do mundo que funciona assim. Na Rússia, quando eu treinava o CSKA, um dos jogadores mais promissores do time começou a passar as madrugadas em festas e a faltar aos treinos. Como era esperado, seu rendimento despencou. Quando decidi corta-lo do time, ele veio falar comigo irado, pedindo satisfações. Em quarenta anos de futebol, sabe quantas vezes me queixei com um treinador por ter ficado no banco? Zero. É uma questão de postura que alguns dos atuais jogadores, alçados à condição de celebridade, ignoram.

O senhor ficou decepcionado com a atuação da seleção brasileira nesta Copa? Acho que não me cabe o papel de avaliar o trabalho de colegas. Posso dizer que, desde o início, eu apostava na seleção espanhola. O futebol deles é do jeito que eu gosto. Eles não tem medo do jogo e não entram em campo pensando em outra coisa que não seja aquela partida. São focados. Acho que a vitória da Espanha fará muito bem ao futebol mundial.

O senhor sonha um dia dirigir a seleção brasileira? Ainda que quisesse, seria impossível. Está claro que eu e o Ricardo Teixeira não temos nenhuma afinidade. Além disso, meu compromisso, até 2012, é com o Flamengo. Sei que será duríssimo, mas não tinha como recusar como esse justamente no clube em que me formei e tive mais alegrias no futebol.

Outros ex-jogadores chegaram ao Flamengo com a mesma missão de fazer um choque de ordem, mas saíram decepcionados, dizendo que seria impossível implantar uma gestão profissional no clube. Seria Ingenuidade minha achar que posso transformar, de uma hora para outra, uma cultura de leniência tão arraigada no clube. Não vou instaurar uma ditadura, mas estou preparado para que algumas de minhas posições e atitudes suscitem polêmicas. Tenho a independência necessária para mudar e convicção sobre os rumos a tomar. Com tantos anos passados no clube, sei bem o que a torcida quer. Mais do que um time vitorioso, espera-se que o Flamengo volte a ser um celeiro de jogadores que entendam, com todas as letras, o que é ser um atleta de verdade.




julho 2019
D S T Q Q S S
« dez    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

BLOG DO PIMENTA

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: